Lá fora não tem coisa melhor?

 

Esses dias estava conversando com um rapaz que mora em Barreirinha e o comentário e pergunta que ele fez a mim me fez refletir por dias. Ele disse: “Eu acho muita coragem a sua em deixar tudo pra vir morar em um lugar tão longe assim. Lá fora não tem coisa melhor pra você?” Na hora, eu respondi: “Depende. O que você considera como algo melhor?” Ele não soube se explicar completamente. Entretanto, fiquei pensando na pergunta.

Lá fora tenho família, amigos, o conforto do lar... São “coisas melhores para mim”. Mas aqui eu vivo tantas experiências que, provavelmente, não viveria se não tivesse aberto mão de outras coisas para estar aqui. Ao viver em uma realidade muito diferente da que eu conhecia, também passo a enxergar o mundo de uma forma diferente também. Sentir na pele o que o outro passa, nos torna, no mínimo, mais humanos.

Aqui eu tenho muito mais qualidade de vida. Não me sinto mais tão estressada, aflita, com um turbilhão de coisas a fazer e resolver sempre. Eu durmo melhor, me alimento melhor, respiro melhor, até consigo me exercitar (coisa que odiava fazer quando estava em casa). Mas não há nada melhor que fazer exercícios e depois pular no rio em um fim de tarde quente, e ainda, de brinde, observar a beleza do pôr-do-sol, que são sempre maravilhosos. (Os nasceres e pores do sol aqui são sensacionais!)

Sobre a nossa alimentação, claro que ela é restrita em alguns aspectos. Como já disse, não ter geladeira dificulta que compremos algumas coisas, como por exemplo, verduras como alface. Além do mais, o custo de vida aqui é muito alto. Pra vocês terem uma ideia, um brócolis custa na região em torno de R$11,00. Ou seja, não como brócolis desde que cheguei aqui. As frutas que comemos também são as que temos mais acesso no mercado, as menos caras e que duram mais tempo fora de uma geladeira: maçã, banana, melão, às vezes, um abacaxi. Uva aqui é luxo. Laranja também: só comi duas desde que cheguei, e ambas que ganhei de alguém. E claro, Deus nos presenteia com frutas regionais que os ribeirinhos trazem para nós: graviola, cupuaçu, murici, biribá, tucumã etc. Entretanto, eu como bem mais aqui. Já até ganhei uns quilinhos, coisa que sempre foi bem difícil pra mim! Hahaha

E, por fim, tenho meu trabalho e meus alunos. Eles não são perfeitos. Nossas crianças também reclamam, dizem que querem ir embora pra casa, que já estão cansados. Há dias melhores que outros. Entretanto, se tem algo que me enche o coração de alegria é ouvir, com bastante frequência em nosso momento de pedidos e agradecimentos a Deus, logo no início da primeira aula, um aluno dizer: “Eu agradeço por estar aqui na escola mais um dia!” “Agradeço porque a professora está aqui com a gente!”

Sabe, parece que não estamos muito acostumados a agradecer por mais um dia de aula e de trabalho. A gente tende a agradecer pelos dias de feriado e de folga. Não temos facilidade em agradecer pelos professores e chefes que temos. É bem mais fácil reclamar e criticar. “Por que o outro era melhor que esse!” Essa é uma prática que tenho aprendido com essas crianças: é preciso aprender a agradecer pelas oportunidades que temos, mesmo que seja simplesmente agradecer pela vida que tenho  para mais um dia de aula ou de trabalho. É preciso aprender a valorizar e amar as pessoas que nos cercam, que doam parte do seu tempo para nos ajudar de alguma forma.

Se tenho algo melhor esperando por mim lá fora? Tenho sim. Existe um mundo de outras possibilidades fora daqui. Tenho consciência disso. E talvez Deus tenha planos para que eu as aproveite daqui um tempo. Mas no momento, aproveito cada uma das oportunidades que Deus tem me dado aqui. Cada uma das experiências, cada aventura, cada bela paisagem que vejo, cada criança que tenho a oportunidade de amar, cada pessoas com quem posso compartilhar o amor de Deus... Tudo isso são experiências maravilhosas que me fazem crescer, e são motivos de imensa gratidão em meu coração.

Image Image Image


 
 
Sobre a Autora

A Gisele é natural de São Paulo e se formou em Pedagogia e Ciências Biológicas. Começou a dar aulas na ETAM em fevereiro de 2018. 

 

2 Comments on “Lá fora não tem coisa melhor?”

  1. Oi, Gisele!

    Li alguns textos publicados por ti e, admito, são emocionantes.

    Posso dar uma sugestão? Coloca a data, ela é uma referência.

    Também publica mais fotos, OK? Na medida do possível, é claro.

    Quase nada para dizer, de tão impressionado…

    Jesus sempre contigo e com todos à tua volta, em especial, com os teus alunos, como se nota, tão amados por ti.

    Esplêndido!

    Um carinhoso abraço na paz do Senhor.

  2. Oi, Gisele!

    Li alguns textos publicados por ti e, admito, são emocionantes.

    Posso dar uma sugestão? Coloca a data, ela é uma referência.

    Também publica mais fotos, OK? Na medida do possível, é claro.

    Quase nada para dizer, de tão impressionado…

    Jesus sempre contigo e com todos à tua volta, em especial, com os teus alunos, como se nota, tão amados por ti.

    Esplêndido!

    Um carinhoso abraço na paz do Senhor.

    De São Luiz do Paraitinga/SP – Em 19 MAR 2019 [5:46 PM].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *