Luzeiros do Massauari

 

LUZEIROS DO MASSAUARI

Image

Levar os desbravadores de nosso Clube Luzeiros do Massauari para o Campori da AAmaR, durante um bom tempo, era apenas um sonho muito distante. Moramos em uma comunidade ribeirinha, a realidade é muito difícil! No início desse ano, resolvemos dar um passo de fé e lançar a campanha de arrecadação de fundos, esperando que, se fosse da vontade do Senhor, Ele abriria as portas!

Confesso que ainda me surpreendo com a bondade do Senhor, com Seu infinito amor e cuidado por nós! Deus realmente abriu o mar para nós!!! Através dos recursos e generosidade de tantas pessoas, Deus nos deu tudo de que precisávamos para levar TODOS os nossos desbravadores para o Campori! Essa era minha oração: “Senhor, quero levar TODOS! Não quero nenhum ficando pra trás!” E Deus me deu a oportunidade de levar 20 crianças e adolescentes para o Campori!!!

Para a maioria, essa foi a primeira viagem que fizeram para fora da cidade de Barreirinha, a primeira vez em que andaram em um barco grande, a primeira vez em que entraram em um ônibus, a primeira oportunidade de conhecer outros 9000 desbravadores! Brincaram, cantaram, riram, se admiraram, participaram dos eventos, subiram no touro mecânico, pularam na cama elástica, tudo novidade! Mas para mim, o maior objetivo em levá-los para o Campori era para que ouvissem sobre Jesus ali e O encontrassem!!! Eu senti a presença de Deus em cada momento desse evento e sei que Deus falou aos corações de cada um deles em cada mensagem!

Talvez eu não veja todos os resultados desse Campori ainda hoje! Mas sei que Deus já começou a obra em cada um deles, e “tenho certeza de que Aquele que começou a boa obra irá completá-la até o dia em que Cristo Jesus voltar” (Filipenses 1:6). Lembrem-se dessas crianças e adolescentes em suas orações!!!

A você que de alguma forma contribuiu com essa causa, seja doando seus recursos, compartilhando e pedindo ajuda a outros ou mesmo orando por nós, gostaria de expressar o meu MUITO OBRIGADA, em nome de todos os desbravadores do Clube Luzeiros do Massauari!!! Não há palavras suficientes que possam expressar toda a minha gratidão por sua ajuda na realização desse sonho!!! Que Deus possa te abençoar e te retribuir grandemente!!! E saiba que uma grande recompensa te espera no céu e na eternidade! Mais uma vez, nosso MUITO OBRIGADA!!!

Image Image Image


 
 
Sobre a Autora

A Gisele é natural de São Paulo e se formou em Pedagogia e Ciências Biológicas. Começou a dar aulas na ETAM em fevereiro de 2018. 

 

 

Antes de vir pra cá, nunca havia andado de barco. Então, nas primeiras vezes que andei, meu medo era claro nos olhos (até hoje fico meio tensa ao andar de canoa, lancha ou voadeira). Maior motivo do medo? Eu não sei nadar! Pois é... Vim pra esse lugar cercado de água por todos os lados sem saber nadar! Sou meio louca mesmo desde sempre! As crianças dizem que qualquer hora vão me jogar no meio do rio pra ver se não aprendo nadar rapidinho! Hahaha

Mas enfim... Nas primeiras vezes que andei, qual quer mudança no barulho do barco, qualquer balançadinha leve, já era motivo de susto pra mim. Lembro que na minha primeira semana aqui, fizemos uma viagem para outra comunidade chamada Tucumanduba. Durante a ida, caiu uma chuva forte, que deixou os comandantes do barco encharcados, e eu via as ondas no rio, e aquilo me apavorou. Eu me apegava àquele verso da Bíblia que diz: “Quando passar por águas profundas, estarei ao seu lado. Quando atravessar rios, não se afogará. (...) Não temas, porque estou contigo!” (Isaías 43:2 e 5)

Mas ao mesmo tempo em que sentia medo, eu olhava para os demais passageiros do barco, pessoas que moram aqui e andam de barco desde sempre, e via a expressão serena e tranquila deles. Desde então, esse passou a ser meu medidor de perigo: “Se eles estão em paz, acho que posso ficar tranquila também! Na hora que eles estiverem tensos, a coisa estará feia mesmo.”

Moro aqui há 5 meses, e depois dessa primeira vez que contei, até agora não tinha tido nenhuma outra experiência amedrontadora andando de barco, rabeta, lancha, voadeira, nada disso... até a última sexta-feira!

Vínhamos pra cidade de Barreirinha na sexta-feira, e inicialmente tínhamos combinado de vir de lancha (uma canoa com um motor um pouco mais potente, portanto, mais rápida). Na semana passada, mudamos o nosso meio de transporte várias vezes. Cada hora, por um motivo diferente, mas uma hora vínhamos de lancha, e na seguinte, já mudávamos pra barco. Depois de várias mudanças, definimos: vamos de barco!

Quase chegando em Barreirinha, chegamos a um trecho do rio Andirá que chamamos de Largão do Andirá, isso porque é um trecho do rio em que as margens estão muito distantes uma da outra, e os barcos passam bem no meio, ou seja, não dá muito pra encostar a qualquer momento que quiser. Quando chegamos nesse lugar, vimos uma tempestade vindo em nossa direção. Não tivemos muito tempo pra pensar. A chuva e o vento vieram com força, formando muitas ondas no rio, que batiam no barco e jogavam água em cima de todos nós.

Foi aí que o barco começou a balançar muito de um lado pro outro como eu não tinha visto até aqui, e, por um instante, eu realmente achei que ia virar. Nos segurávamos para não cair. Na hora em que me entregaram um colete e disseram: “Qualquer coisa, pula longe do barco!”, eu senti que a coisa era séria!

Em situações amedrontadoras assim, geralmente entro em pânico. Mas vejo o quanto Deus acalma nosso coração, quando nos dispomos a confiar Nele. Por mais que passasse pela minha cabeça que o barco podia virar, que eu não sei nadar e tudo mais, eu sentia uma paz muito grande, uma confiança em um Deus que me trouxe pra cá e promete diariamente cuidar de mim! Naquele momento, eu apenas orava pedindo que Ele nos guiasse e nos permitisse atravessar as ondas bravas do rio em segurança. Em meio à essa paz que inundou meu coração, foi possível até começarmos a sorrir e cantar: “Eu vou chegar! Ainda que meu barco quebre, eu me lançarei no mar; eu deixo para trás o que ficar. Só quero chegar, não tem ondaque vai me impedir. Eu vou chegar!” Chegamos à terra, todos bem, em segurança, louvando a Deus por sua proteção!

Em tudo vejo o cuidado de Deus. Ele não permitiu que viéssemos de lancha. Se tivéssemos vindo naquele dia, a chance de virar e cair na água seria quase total. Além disso, sei que Deus é capaz de acalmar tempestades. Ele já fez isso uma vez com Seus discípulos. Entretanto, nem sempre Ele acalma as tempestades de nossa vida. Às vezes, Ele simplesmentea atravessa junto com você. A promessa tão antiga ainda é válida em nossos dias:

“Quando passar por águas profundas, estarei ao seu lado. Quando atravessar rios, não se afogará. (...) Não temas, porque estou contigo!” Isaías 43:2 e 5

Se Ele prometeu, acredite: Ele cumprirá!

Image


 
 
Sobre a Autora

A Gisele é natural de São Paulo e se formou em Pedagogia e Ciências Biológicas. Começou a dar aulas na ETAM em fevereiro de 2018.