Pequenas Conquistas

 

Já contei pra vocês o quanto nossos alunos tem certas dificuldades na escola. Infelizmente, o ensino nas escolas aqui é muito fraco, superficial, de modo que isso se reflete neles ao longo do tempo. Mas é incrível ver como a maioria deles tem habilidades para as Artes. Muitos amam desenhar, e fazem desenhos realmente legais! Buscamos sempre incentivá-los, mostrar aquilo em que eles se destacam, e que muitas vezes passa despercebido aos olhos deles mesmos. Com um pouco de ajuda e esforço, recebemos trabalhos fantásticos, como o desse aluno que fez uma poesia sobre a sua história. Pode parecer simples, mas sabemos o quanto pequenas conquistas assim são gigantescas para eles!

Infelizmente, aqui é muito comum eles ouvirem dos próprios pais que eles são burros, que não sabem nada, que não conseguem aprender. As palavras exercem forte influência no que pensamos sobre nós mesmos, ainda mais quando somos crianças.

Em uma das aulas no 6º e 7º ano, dividi a sala em trios para uma atividade. Um dos alunos, ao ouvir qual era o grupo a que ele tinha sido designado, imediatamente comentou: “Iii, os três mais burros!” Na hora retruquei: “Como assim? Quem disse que vocês são burros?” A resposta foi: “A curuminzada fala!” (A criançada fala.) No momento, disse algumas palavras sobre o quão inteligentes eles são, mas aguardei o fim da aula para chamar esse aluno no canto pra conversar.

Comecei dizendo calmamente: “Vamos estabelecer um combinado entre nós dois? Você nunca mais vai dizer que é burro, porque você não é! Você é um dos meninos mais inteligentes que eu conheço!” E de fato, ele o é! É uma criança viva, de pensamento rápido, com um enorme conhecimento de natureza e da vida prática na selva.

A resposta? Choro! Aquele choro sentido, de quem revela que já está tão machucado pelas palavras de outros, que não consegue mais acreditar no que eu digo. Naquele dia, não consegui obter nenhuma palavra dele, além do choro.

Na semana seguinte, fui devolver 3 avaliações da turma, já corrigidas. Esse mesmo aluno tinha tirado a nota máxima nas 3 provas! Ao entregá-las para ele, recebi um abraço tão forte e demorado acompanhado de um sorriso tão lindo, que inundou meu coração de alegria. Eu li naquele abraço apertado um “obrigado”!!! Novamente o desafiei: “Agora podemos fazer um combinado?” Dessa vez, a resposta foi afirmativa!

Em situações como essa, é impossível não se emocionar e não perceber como pequenos atos nossos fazem tamanha diferença na vida deles! Oro para que a cada dia eu seja um instrumento usado por Deus para fazê-los compreender o quão especiais eles são, quanta capacidade e inúmeras habilidades eles têm! Orem para que Deus nos dê sabedoria nessa tarefa!

“Em muita criança cujos pais passariam por alto, Deus vê capacidades muito acima das que são reveladas...” Ellen G. White, Educação, p. 266.

Image


 
 
Sobre a Autora

A Gisele é natural de São Paulo e se formou em Pedagogia e Ciências Biológicas. Começou a dar aulas na ETAM em fevereiro de 2018. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *